Viva a Vida !

Este blog destina-se aos meus amigos e conhecidos assim como aos visitantes que nele queiram colaborar..... «Olá, Diga Bom Dia com Alegria, Boa Tarde, sem Alarde, Boa Noite, sem Açoite ! E Viva a Vida, com Humor / Amor, Alegria e Fantasia» ! Ah ! E não esquecer alguns trocos para os gastos (Victor Nogueira) ..... «Nada do que é humano me é estranho» (Terêncio)....«Aprender, Aprender Sempre !» (Lenine)

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Convívio entre Abril e Maio (10) - Em Memória de Irena Sendlerowa

Building a rainbow de Tito Salomoni

remetido por namibiano ferreira

sex 30-05-2008 13:42

namibianotombua.multiply.com/journal

Poesia de Namibiano Ferreira

PARA NUNCA MAIS A GUERRA

CORES & PALAVRAS


Em Memória de Irena Sendlerowa

(1910 – 2008)

A heroina polaca que salvou crianças judias do Gueto de Varsóvia, durante a Segunda Guerra Mundial, faleceu no dia 12 de maio de 2008, às 8 horas da manhã, hora local. Irena foi e será sempre uma grande Mulher, uma grande Humanista, uma grande Alma.

Por favor repassem este e-mail, a obra desta MULHER nao pode cair no esquecimento, nem nos podemos jamais esquecer de todos aqueles que sofreram o Holocausto e outros que continuamente sofrem as maos de regimes totalitarios e despoticos.

Blog EntryEM MEMORIA DE IRENA SENDLEROWAMay 29, '08 11:57 AM
for everyone

Em Memória de Irena Sendlerowa

(1910 – 2008)

A heroina polaca que salvou crianças judias do Gueto de Varsóvia, durante a Segunda Guerra Mundial, faleceu no dia 12 de maio de 2008, às 8 horas da manhã, hora local. Irena foi e será sempre uma grande Mulher, uma grande Humanista, uma grande Alma.

Irena Sendler, em língua polaca Irena Sendlerowa, (15 de Fevereiro de 1910 - 12 de Maio de 2008), também conhecida como "o anjo do Gueto de Varsóvia", foi uma activista dos direitos humanos durante a Segunda Guerra Mundial, tendo contribuido para salvar mais de 2.500 vidas ao levar alimentos, roupa e medicamentos às pessoas barricadas no gueto, com risco da própria vida.

A Mãe das crianças do Holocausto

A razão pela qual resgatei as crianças tem origem no meu lar, na minha infância. Fui educada na crença de que uma pessoa necessitada deve ser ajudada com o coração, sem importar a sua religião ou nacionalidade. - Irena Sendler

Quando a Alemanha Nazi invadiu o país em 1939, Irena era enfermeira no Departamento de Bem-estar Social de Varsóvia, que organizava os espaços de refeição comunitários da cidade. Ali trabalhou incansavelmente para aliviar o sofrimento de milhares de pessoas, tanto judias como católicas. Graças a ela, esses locais não só proporcionavam comida para órfãos, anciãos e pobres como lhes entregavam roupa, medicamentos e dinheiro.

Em 1942, os názis criaram um gueto em Varsóvia, e Irena, horrorizada pelas condições em que ali se sobrevivia, uniu-se ao Conselho para a Ajuda aos Judeus, Zegota. Ela mesma contou: "Consegui, para mim e minha companheira Irena Schultz, identificações do gabinete sanitário, entre cujas tarefas estava a luta contra as doenças contagiosas. Mais tarde tive êxito ao conseguir passes para outras colaboradoras. Como os alemães invasores tinham medo de que ocorresse uma epidemia de tifo, permitiam que os polacos controlassem o recinto."

Quando Irena caminhava pelas ruas do gueto, levava uma braçadeira com a estrela de David, como sinal de solidariedade e para não chamar a atenção sobre si própria. Pôs-se rapidamente em contacto com famílias, a quem propôs levar os seus filhos para fora do gueto, mas não lhes podia dar garantias de êxito. Eram momentos extremamente difíceis, quando devia convencer os pais a que lhe entregassem os seus filhos e eles lhe perguntavam: "Podes prometer-me que o meu filho viverá?". Disse Irena, "Quê podia prometer, quando nem sequer sabia se conseguiriam sair do gueto? A única certeza era a de que as crianças morreriam se permanecessem lá. Muitas mães e avós eram reticentes na entrega das crianças, algo absolutamente compreensível, mas que viria a se tornar fatal para elas. Algumas vezes, quando Irena ou as suas companheiras voltavam a visitar as famílias para tentar fazê-las mudar de opinião, verificavam que todos tinham sido levados para os campos da morte.

Ao longo de um ano e meio, até à evacuação do gueto no Verão de 1942, conseguiu resgatar mais de 2.500 crianças por várias vias: começou a recolhê-las em ambulâncias como vítimas de tifo, mas logo se valia de todo o tipo de subterfúgios que servissem para os esconder: sacos, cestos de lixo, caixas de ferramentas, carregamentos de mercadorias, sacas de batatas, caixões... nas suas mãos qualquer elemento transformava-se numa via de fuga.

Irena vivia os tempos da guerra pensando nos tempos de paz e por isso não fica satisfeita só por manter com vida as crianças. Queria que um dia pudessem recuperar os seus verdadeiros nomes, a sua identidade, as suas histórias pessoais e as suas famílias. Concebeu então um arquivo no qual registava os nomes e dados das crianças e as suas novas identidades.

Os názis souberam dessas actividades e em 20 de Outubro de 1943 Irena Sendler foi presa pela Gestapo e levada para a infame prisão de Pawiak onde foi brutalmente torturada. Num colchão de palha encontrou uma pequena estampa de Jesus Misericordioso com a inscrição: “Jesus, em Vós confio”, e conservou-a consigo até 1979, quando a ofereceu ao Papa João Paulo II.

Ela, a única que sabia os nomes e moradas das famílias que albergavam crianças judias, suportou a tortura e negou-se a trair seus colaboradores ou as crianças ocultas. Quebraram-lhe os ossos dos pés e as pernas, mas não conseguiram quebrar a sua determinação. Foi condenada à morte. Enquanto esperava pela execução, um soldado alemão levou-a para um "interrogatório adicional". Ao sair, gritou-lhe em polaco "Corra!". No dia seguinte Irena encontrou o seu nome na lista de polacos executados. Os membros da Żegota tinham conseguido deter a execução de Irena subornando os alemães, e Irena continuou a trabalhar com uma identidade falsa.

Em 1944, durante o Levantamento de Varsóvia, colocou as suas listas em dois frascos de vidro e enterrou-os no jardim de uma vizinha para se assegurar de que chegariam às mãos indicadas se ela morresse. Ao finalizar a guerra, Irena desenterrou-os e entregou as notas ao doutor Adolfo Berman, o primeiro presidente do comité de salvação dos judeus sobreviventes. Lamentavelmente a maior parte das famílias das crianças tinha sido morta nos campos de extermínio názis. De início, as crianças que não tinham família adoptiva foram cuidadas em diferentes orfanatos e pouco a pouco foram enviadas para a Palestina.

As crianças só conheciam Irena pelo seu nome de código "Jolanta". Mas anos depois, quando a sua fotografia saiu num jornal depois de ser premiada pelas suas acções humanitárias durante a guerra, um homem chamou-a por telefone e disse-lhe: "Lembro-me da sua cara. Foi você quem me tirou do gueto." E assim começou a receber muitas chamadas e reconhecimentos públicos.

Em 1965 a organização Yad Vashem de Jerusalém outorgou-lhe o título de Justa entre as Nações e nomeou-a cidadã honorária de Israel.

Em Novembro de 2003 o presidente da República Aleksander Kwaśniewski, concedeu-lhe a mais alta distinção civil da Polónia: a Ordem da Águia Branca. Irena foi acompanhada pelos seus familiares e por Elżbieta Ficowska, uma das crianças que salvou, que recordava como "a menina da colher de prata".

Texto em itálico retirado da wikipedia.

http://www.irenasendler.org/

http://www.holocaustforgotten.com/sendler.htm

http://www.irenasendler.org/team.asp

http://pt.wikipedia.org/wiki/Irena_Sendler (Portugues wiki)

http://en.wikipedia.org/wiki/Irena_Sendler (English wiki)

Blog EntryIN MEMORY OF IRENA SENDLEROWAMay 29, '08 11:10 AM
for everyone

In Memory of
Irena Sendlerowa
1910-2008

Irena Sendler passed away on Monday May 12th, 2008 at 8:00 am CEST in Warsaw, Poland. A funeral service will be held on Thursday, May 15th at noon CEST in Warsaw. Memorial services are planned in numerous places, including Fort Scott, KS.

The life of Irena Sendler was one of great testimony, one of courage and love, one of respect for all people, regardless of race, religion and creed. She passed away peacefully, knowing that her message goes on. Our hearts and prayers go out to her worldwide family. She is gone, but will never be forgotten. Born in Warsaw, Poland, she live most of her young life in Otwock. Irena Sendlerowa led the rescue of 2,500 Jewish children from the Warsaw Ghetto during the Holocaust in World War II. She was recently nominated for the Nobel Peace Prize. Her legacy of repairing the world continues, as good continues to triumph over evil. Irena Sendlerowa was 98 years old.

November 13, 2003 - from POPE JOHN PAUL II - TO IRENA SENDLEROWA. "Honorable and dear Madam, I have learned you were awarded the Jan Karski prize for Valor and Courage. Please accept my hearty congratulations and respect for your extraordinarily brave activities in the years of occupation, when - disregarding your own security - you were saving many children from extermination, and rendering humanitarian assistance to human beings who needed spiritual and material aid. Having been yourself afflicted with physical tortures and spiritual sufferings you did not break down, but still unsparingly served others, co-creating homes for children and adults. For those deeds of goodness for others, let the Lord God in his goodness reward you with special graces and blessing. Remaining with respect and gratitude I give the Apostolic Benediction to you." POPE JOHN PAUL II

A GREAT WOMAN, A GREAT HUMANIST, A GREAT SOUL...

Irena Sendler (in Polish also: Irena Sendlerowa; de domo Krzyżanowska; February 15, 1910 – May 12, 2008) was a Polish social worker. During World War II she was an activist in the Polish Underground and the Żegota Polish anti-Holocaust resistance in Warsaw. She helped save 2,500 Jewish children from the Warsaw Ghetto by providing them with false documents and sheltering them in individual and group children's homes outside the Ghetto.

World War II Resistance

During the World War II German occupation of Poland, Sendler lived in Warsaw (before that she lived in Tarczyn) while working for the city's Social Welfare Department.

She started helping Jews a long time before the Warsaw Ghetto was established. As early as 1939, when the Germans invaded Poland, she began helping Jews by offering them food and shelter. Irena and her helpers made over 3,000 false documents to help Jewish families, before she joined Żegota and the children's division. Helping Jews was very risky — in German-occupied Poland, all household members were punished by death if a hidden Jew was found in their house. This punishment was more severe than those applied in other occupied European countries.

In December 1942, the newly created Children's Section of the Żegota (Council for Aid to Jews), nominated her (under her cover name Jolanta) to head its children's department. As an employee of the Social Welfare Department, she had a special permit to enter the Warsaw Ghetto, to check for signs of typhus; something the Nazis feared would spread beyond the ghetto. During the visits, she wore a Star of David as a sign of solidarity with the Jewish people and so as not to call attention to herself.

She cooperated with the Children's Section of the Municipal Administration, linked with the RGO (Central Welfare Council), a Polish Relief Organization tolerated under German supervision. She organized the smuggling of Jewish children from the Ghetto, carrying them out in boxes, suitcases and trolleys. Under the pretext of conducting inspections of sanitary conditions during a typhoid outbreak, Sendler visited the ghetto and smuggled out babies and small children in ambulances and trams, sometimes disguising them as packages. She also used the old courthouse of the edge of the Warsaw Ghetto (still standing) as one of the main routes of smuggling children out. The children were placed with Polish families, the Warsaw orphanage of the Sisters of the Family of Mary or Roman Catholic convents such as the Sisters Little Servants of the Immaculate Conception of the Blessed Mary at Turkowice and Chotomów. Some were smuggled to priests in parish rectories where they could be further hidden. She hid lists of their names in jars, in order to keep track of their original and new identities. Żegota assured the children that, when the war was over, they must be returned to Jewish relatives.

In 1943, Sendler was arrested by the Gestapo, severely tortured, and sentenced to death. Żegota saved her by bribing German guards on the way to her execution. She was left in the woods, unconscious and with broken arms and legs. She was listed on public bulletin boards as among those executed. For the remainder of the war, she lived in hiding, but continued her work for the Jewish children. After the war, she dug up the jars containing the children's identities and began an attempt to find the children and return them to living parents. However, almost all the children's parents had died at the Treblinka extermination camp.

http://www.irenasendler.org/

http://www.holocaustforgotten.com/sendler.htm

http://www.irenasendler.org/team.asp

http://pt.wikipedia.org/wiki/Irena_Sendler (Portugues wiki)

http://en.wikipedia.org/wiki/Irena_Sendler (English wiki)

1 comentário:

dina disse...

já tinha ouvido falar, mas não lhe conhecia a cara
tem cara de avó , sem dúvida