Viva a Vida !

Este blog destina-se aos meus amigos e conhecidos assim como aos visitantes que nele queiram colaborar..... «Olá, Diga Bom Dia com Alegria, Boa Tarde, sem Alarde, Boa Noite, sem Açoite ! E Viva a Vida, com Humor / Amor, Alegria e Fantasia» ! Ah ! E não esquecer alguns trocos para os gastos (Victor Nogueira) ..... «Nada do que é humano me é estranho» (Terêncio)....«Aprender, Aprender Sempre !» (Lenine)

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Convívio do Movimento e Contraste (36) - Os blogues são lixados

.


.
.
na «Travessa do Ferreira - antologia de VN», no scriptorium.index, simples aperitivo, ou na original e saborosa travessadoferreira, muitíssimo melhor recheada e aperitosa.
.
.
* Antunes Ferreira
.

Esta coisa dos blogues é lixada. Um indivíduo, mal se precata, já está apanhado na teia informática, com um aracnídeo internético a mirá-lo, babando-se pela antecipação do banquete. Aqui é mesmo o que se usa chamar «em palpos de aranha».

.

Quando um honesto cidadão adquire a blogo dependência, o caso fia mais fino. Não é, apenas, o facto de não se conseguir levantar da frente do computador, não senhor. Existem mil e outros riscos para a presa do teclado, do rato, e sabe-se lá do que mais. Armadilhas montadas pelos chips são muitas e variegadas. Quando eu era puto, os gelados Esquimaux eram pró menino e prá menina e os chupa chupas cada cor seu paladar. Hoje, é pior.

.

Escrever é prazer, ainda que, muitas vezes, depois de sofrimentos maiores ou menores. Mas, por mais que se refira o parto sem dor, o facto é que o dar à luz tem quase sempre os custos que se sabe, sendo que à mãe cabe o pior bocado. Isto, para além de lapalisseano, é redundante: os homens nunca engravidaram, muito menos pariram.

.

De filosofia barata está o Mundo cheio, dizia-se, diz-se e dir-se-á. De blogues mal amanhados – idem, idem, aspas, aspas. Há até já uma neoconjugação que aqui enuncio: eu blogo, tu blogas, ele bloga; nós blogamos, vós blogais, eles blogam. Não declinando a autoria do neologismo, dou por mim a pensar, coisa que, por vezes faço, ainda que sem grandes resultados.

.

Quantas horas passa um sujeito martelando as pobres teclas made in China que não lhe fizeram mal nenhum? Quantas queixas, mais do que legítimas, fizeram os familiares (em especial as caras metades), pela opção raticida do escrevinhador? Refiro-me, claro está, à utilização desse pequeno instrumento com ou sem fio que dá pelo nome de rato. Afastem, se fazem favor, qualquer outra conotação que tenham elucubrado.

.

Há já uns anos, li um texto magnífico, sobre os ruídos da nossa contemporaneidade. Guardei-o, mas não sei onde. Não se utilizava o PC – olhem lá, nova advertência. Trata-se tão só do Personal Computer – e portanto a única memória utilizável era a nossa intracraneana. A custo, por tal motivo, aqui tento a sua súmula possível.

.

Entre o ziiip dos fechos de correr, o rasg dos velcros, o flop dos blisters, o chiiii dos microondas, o tralalá dos telemóveis, e milhentos outros, avulta uma realidade que não é conveniente ignorar-se: estamos perante novas sinfonias, naturalmente cibernéticas, prenhes de música digitalizada. Já não nos ficamos na Nona; ultrapassámos a 2.007.654.ª elevada à enésima potência. Inventámos novos decibéis.

.

Isto é uma realíssima chachada dirá quem ainda leia este texto. E que tenha tido a paciência de até aqui chegar. Lembra-me a estória daquele orador que, perante uma boa plateia, dissertou sobre a influência do sexo nas relações das lagartas com as folhas a que têm direito, obviamente.

.

A preclara personagem entusiasmou-se e já ia nas quase quatro horas de palestra, quando reparou que, à formiga, os assistentes tinham quase desaparecido. Na sala, e logo na primeira fila, um cavalheiro, aguentava impávido e sereno. Por isso, o autor terminou rapidamente a intervenção e dirigiu-se ao resistente.

.

- Meu caro Amigo, permita-me que assim o trate… E o outro, moita, carrasco.

.

- Venho agradecer-lhe a persistente e denodada atenção que prestou ao que eu disse, ao longo de um período de tempo assaz longo. É uma gentileza da sua parte que me caiu bem fundo. Nunca ninguém assim me considerou. Por isso, não podia deixar de lhe manifestar a minha gratidão. A cultura precisa de Homens, com maiúscula, como o meu Amigo. Posso dar-lhe um abraço?

.

E o outro:

.

- O que eu queria saber era quem foi o filho da puta que me levou as muletas!...

.

Os blogues são, repito, lixados. Nem todos, mas em larga maioria.

.
.

Foto/Logotipo de Olho de Lince em - Oficina das Ideias

.

.

5 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Tens razão, Víctor!
Alguns são mesmo lixados...
O meu é apenas um bloguezito de trazer por casa, não lixa ninguém! ;-))

Abraço

Rosa dos Ventos disse...

Escusado será dizer que me divirti com a tua ironia1 ;-))

Sophiamar disse...

A blogosfera precisa de Homens com maiúscula para que isto não se torne uma seca.Gostei do post, da escrita, da ironia e acabei a rir.
Depois de " tanta paciência" valeu a pena.

Um beijo

Victor Nogueira disse...

Rectificação
O texto não é meu mas do meu camarada das letras Antunes Ferreira, de quem podem encontrar mais textos no Scriptorium ou no blog original, pelo que introduzi as devidas hiperligações, embora a autoria do texto estivesse logo no início claramente identificada, como é meu princípio :-)
Um abraço a todos leitores/as comentadores/as :-)
Victor Nogueira

Paula Raposo disse...

Excelente o texto!! Este é o sentido de humor que aprecio...