Viva a Vida !

Este blog destina-se aos meus amigos e conhecidos assim como aos visitantes que nele queiram colaborar..... «Olá, Diga Bom Dia com Alegria, Boa Tarde, sem Alarde, Boa Noite, sem Açoite ! E Viva a Vida, com Humor / Amor, Alegria e Fantasia» ! Ah ! E não esquecer alguns trocos para os gastos (Victor Nogueira) ..... «Nada do que é humano me é estranho» (Terêncio)....«Aprender, Aprender Sempre !» (Lenine)

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Máxima no mínimo :-)


* Vergilio Torres

.

Não sei se terá alguma coisa a ver com máxima ou mínimo, maior ou menor...

Entre outras inúmeras hipóteses, não há dúvida que maior e o menor se revestem de diferentes importâncias.

.

O maior é sem margem de dúvidas maior

.
O menor, coitado, dada a sua importância relativa é menor, mais pequeno, menos importante, mas no entanto não deverá ser desprezado ou minorado por isso.

.

Menor é apenas, mais pequeno que maior. (Ponho em dúvida se por esse facto não deveria ser majorado, ou seja, mais importante que maior). Uma simples ressalva que encerra uma complexa questão.

.

Em frente...

Maior e menor diferem sobretudo na sua grandeza, forma e consequentemente no seu grau de importância ou, digamos, saliência.

.

Deverá então este maior ser revestido de maioridade em oposição ao menor, neste caso mais pequeno.

.

A pequenez característica do menor, simplesmente referida, isto porque facilmente se deduz o seu grau de importância face ao seu opositor.

.

Como dois diferentes pesos, são duas diferentes medidas que no contexto geral, embora díspares, quando colocadas lado a lado, cada uma no respectivo prato da balança, desequilibram-se silabicamente, no entanto, são as duas equilibradas, ambas logicamente absurdas.

In www.banhosdecinza.blogspot.com

Se calhar é mais do mesmo, apenas um exercício entre maior e menor. Por detrás deste exercício há a vocalização destas palavras, maior e menor. A forma ideal para a sua pronuncia, dando ênfase às suas particulares características e grau relativo de importância associada. Nada mais.

.

Isto, no seguimento de máxima no mínimo que me levou a ir buscar ao caixote este exercício.

Daí que...

É possível imaginar o escuro total recriando-o? Nada mais fácil, cerrem-se as palpebras.

É possível imaginar a luminosidade absoluta? Nada mais fácil...

De igual forma o silêncio e a palavra.

De igual forma o intermédio, entre o ouro e a prata, o silêncio e a palavra, o puro e a consequente alteração.

Mas, o que é esta alteração física? Simples ferro que já o foi, restando apenas agora um subproduto da sua meteorização.

Mas, o que é a ausência senão uma remanescência vestigial de um elemento puro. Um indicador da anti-presença.

Por analogia, uma pseudomorfose do ferro, uma consequência da transformação do elemento puro susceptível à instabilidade.

Ausência, forma inacabada resultante de um desgaste provocado pelo Tempo.

Muito interessante a comparação.

Boa semana também, e boas férias se for o caso!

Um abraço.

Vergilio Torres

ter 19-08-2008 3:42

.

.

1 comentário:

dina disse...

nah, maior e menor são exactamente iguais em termos de grandeza.
quem quer ter uma "maior desgraça" em vez de uma "menor qualidade de vida" ?

quem não prefere ter uma "menor semana de trabalho" em vez de um "maior nº de tarefas para cumprir durante a semana" ?

iguazinhos, é o que eu digo